Vista-se com significados

O que pode mudar o mundo? o que pode mudar o consumo, quais atitudes são verdadeiramente relevantes para a moda? E para a sociedade?

Durante a vida crescemos e aprendemos que é preciso fazer a diferença, mas qual seria a fórmula para isso? Trazendo esses questionamentos para nossa área, a moda, a industrial têxtil é uma das maiores do mundo, no entanto, as pessoas que decidem trabalhar com isso não tem um papel fundamental ou sequer importante aos olhos de quem acha que esta fora desse universo, então qual a resposta para essas perguntas?

Na nossa opinião o que pode mudar o mundo é a forma como as pessoas pensam, parece simples e bastante óbvio, porém, quem pode mudar o pensamento das pessoas e influenciá-las? Um governo não poderia o faze-lo, por mais que estejamos condicionados a seguir regras, ainda existe emoção na razão, para isso a arte se torna o veículo que leva pessoas a imaginar realidades totalmente diferentes das que lhe foram apresentadas, os loucos, românticos, sonhadores, vagabundos sem propósitos que desejam mais, que esperam mais, que sonham não com um futuro melhor para si mas para uma sociedade inteira, os que desafiam os costumes e a comodidade. Foram essas cabeças que reivindicaram coisas que hoje parecem tão simples e pequenas como por exemplo: uma mulher ter direito a voto, casais homossexuais poderem andar de mãos dadas nas ruas, mulheres usando calças e andando de bicicleta. São tantas coisas e são tão simples que se quer são valorizadas, mas se não houvesse a arte para disseminar as ideias, se não houvesse o olhar dessas pessoas, que parecem serem sonhadoras de mais para o mundo, aonde estaríamos agora ? A arte que emociona, é a arte que é capaz de tornar feliz uma pessoa triste ,e é a roupa que acompanha os sentimentos de quem as veste. A roupa é o instrumento de maior revolução e evolução que existe, e é usada por todos.

Para o post utilizamos a imagem da estilista Zuzu Angel, que foi muito importante para o cenário da moda brasileira, além de revolucionária ela também reivindicava por meio de sua arte: suas peças e coleções, os tempos da ditadura.

Indicamos também este post do Império Retro, que conta um pouco sobre a trajetória da estilista: http://www.imperioretro.com/2016/04/zuzu-angel-quando-moda-e-politica-se.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *